Prefeito Salomão Gomes negocia mais de R$ 1 milhão em precatórios do Município de Felipe Guerra - Folha Potiguar - Notícias e opinião - RN

Últimas Notícias

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

Responsive Ads Here

sexta-feira

Prefeito Salomão Gomes negocia mais de R$ 1 milhão em precatórios do Município de Felipe Guerra

Iniciativa foi do próprio gestor municipal, o qual procurou o TJRN para negociar os débitos junto aos credores.

Em audiência ocorrida na tarde desta quinta-feira, 21, na sede do Poder Legislativo municipal felipense, o prefeito Salomão Gomes negociou mais de R$ 1 milhão de reais em precatórios do Município de Felipe Guerra junto a credores. Fruto de iniciativa do próprio gestor municipal que procurou o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), a audiência foi presidida pelo Juiz auxiliar da Divisão de Precatórios do TJRN, Dr. Bruno Lacerda, e terminou com a aceitação da uma proposta apresentada pelo Município para que o montante seja parcelado e pago até o final do ano em curso.  
Ao final da audiência, o prefeito Salomão Gomes comemorou o entendimento com os credores, agradeceu a presença de todos e também destacou a sensibilidade do Dr. Bruno Lacerda ao atender a sua solicitação. “Também reitero o meu compromisso de honrar sempre os credores e levar o Município de Felipe Guerra ao equilíbrio fiscal”, finalizou o gestor.    
Advogado dos credores, o Dr. Lindocastro Morais avaliou que o acordo resultante da audiência é muito importante tanto para o Município, que pode se programar para pagar suas dívidas, quanto para os credores, uma vez que traz previsibilidade em relação aos créditos que eles têm a receber. “Uma solução negociada é muito mais vantajosa”, disse o advogado. 
Já o Dr. Bruno Lacerda, avaliou como excelente a proposta apresentada pelo Município e aceita pelos credores, fazendo questão de registrar que a iniciativa de provocar a realização da audiência foi do próprio prefeito Salomão Gomes. “Parabéns gestor, aos credores e seus advogados, por demonstrarem boa vontade e interesse de resolverem um problema que, no final das contas é de toda a comunidade por se tratar de uma dívida pública”, concluiu o magistrado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário